Esta foi a primeira vez que a inflação ficou abaixo da meta de 4,5%

Após três meses seguidos de queda, a Região Metropolitana da Grande Vitória (RMGV) voltou a apresentar aumento da inflação (0,39%) em dezembro de 2017. A alta foi puxada pelos setores de Transportes (1,09%) e Alimentação e Bebidas (0,74%). Já os grupos de Habitação e Comunicação tiveram quedas de -0,43% e -0,15%, respectivamente. Os dados são do Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE.

Com os resultados de dezembro, a Grande Vitória encerrou 2017 com inflação acumulada de 2,55%, o que significa 2,56 pontos percentuais abaixo do acumulado de 2016. No acumulado, os grupos que apresentaram as maiores altas foram Educação (8,96%), Saúde e Cuidados Pessoais (5,61%) e Habitação (4,51%). Já os que apresentaram as maiores quedas foram Artigos de Residência (-3,77%) e Alimentação e Bebidas (- 2,16%), sendo este último o que tem o maior peso no cálculo do IPCA.

 

Brasil

No Brasil, a inflação em 2017 foi de 2,95%, menor valor acumulado desde 1998 (1,65%), ficando 3,34 p.p. abaixo do registrado em 2016 (6,29%). O índice no ano passado foi influenciado especialmente pelos grupos de Educação (7,11%), Saúde e Cuidados Pessoais (6,52%) e Habitação (6,26%). Já o de Alimentação, responsável por 1/4 das despesas das famílias, apresentou maior queda (-1,87%) entre os grupos, devido ao aumento de cerca de 30% na safra agrícola em 2017. Desde a implementação do Plano Real, essa é a primeira vez que este grupo teve deflação no ano.

O IPCA de 2017 ficou abaixo da banda inferior (3%) da meta de inflação para o ano. Desde a instauração do sistema de metas de inflação, essa é a primeira vez que a meta foi descumprida para baixo. Por isso, o presidente do Banco Central terá que escrever uma carta ao Ministro da Fazenda explicando os motivos do não cumprimento e apontando medidas para fazer a inflação convergir para o centro da meta (4,5%).

Confira a análise completa do Ideies.

Imprimir

Notícias Relacionadas