O Espírito Santo será o único estado da Região Sudeste a implantar a reforma do Ensino Médio com o projeto piloto “Ensino Médio com itinerário de formação técnica e profissional”, do Departamento Nacional (DN) do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). As divisões regionais das instituições serão as responsáveis pela implementação da nova proposta pedagógica no Estado.

A aula inaugural acontece no próximo dia 2 de fevereiro, às 8h, no Senai Civit, onde 61 alunos do Sesi terão a oportunidade de desenvolver capacidades para a consolidação de um projeto pessoal de vida e carreira na área da indústria. Com um evento planejado para acolher os estudantes de maneira atrativa e conectada, a recepção será transmitida ao vivo na fanpage do Senai-ES no Facebook.

Identificado com a hashtag #EnsinoProfissa, os alunos que farão parte da primeira turma do Ensino Médio Integrado com a Educação Profissional (Emiep) são egressos do ensino básico do Sesi-ES de Laranjeiras e foram selecionados por seus desempenhos e notas ao longo da vida escolar.

 

O Projeto
No projeto pioneiro, os alunos receberão formação técnica em eletrotécnica em conjunto com a grade curricular básica do Ensino Médio.  Eles terão uma formação profissional consistente e o desenvolvimento de competências para empregabilidade, além de fundamentos técnicos e científicos referentes à Qualidade, Meio ambiente, Segurança e Saúde ocupacional requeridos pela área da indústria.

“A Reforma do Ensino Médio trará uma grande oportunidade de corrigirmos algumas deficiências que existem no Sistema Educacional Brasileiro. Nós temos uma entidade que atua na Educação Básica, que é o Sesi, e outra que opera a Educação Profissional, o Senai, e faltava um link entre essas duas entidades, que precisavam caminhar juntas. A educação é um grande fator de competitividade no mundo inteiro. Com esse projeto piloto, único da região Sudeste, teremos a chance de oferecer ao Espírito Santo, ao Sesi, ao Senai e, principalmente, à indústria, um aluno ainda mais qualificado ao final do itinerário educativo”, ressalta o superintendente do Sesi e diretor regional do Senai, Luis Carlos Vieira.

Nova legislação

O projeto propõe uma experiência pedagógica, que se inicia com a área industrial de Energia – habilitação profissional de Técnico em Eletrotécnica, pautada no artigo 81 da LDB nº 9.394/96 e atendendo às demandas da nova legislação (Lei nº 13.415/2017) que reformou a estrutura do Ensino Médio.

A lei, ainda em processo de regulamentação, preconiza também uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelece: diretrizes gerais; competências e habilidades a serem desenvolvidas; itinerários flexíveis de formação; organização curricular por áreas de conhecimento; e adequação da carga horária da formação geral e da formação profissional para a garantia de colocar em ação um currículo integrado, conforme a relevância para o contexto local e a possibilidade dos sistemas de ensino.

De acordo com o diretor-superintendente do Sesi DN, Rafael Lucchesi, que também é diretor-geral do Senai DN, a proposta curricular foi estruturada por competências e habilidades contextualizadas à realidade atual, constituindo-se em uma forma de estimular os estudantes a darem significado aos saberes e às atividades escolares. “A ideia da iniciativa é apresentar à sociedade uma proposta curricular inovadora, factível, replicável e alinhada com as diretrizes da nova Lei do Ensino Médio, podendo ser implementada futuramente, sobretudo, na rede pública de ensino”, destaca.

“O Sesi e o Senai são instituições de excelência em educação, que agora buscam ser referência para outras redes. A nova lei do ensino médio trouxe oportunidades para avançarmos qualitativamente na formação de cidadãos e profissionais, mas precisamos saber implantá-la para efetivamente aproveitarmos todo o seu potencial”, declara.

O projeto piloto também contempla os Departamentos Regionais de Alagoas, Bahia, Ceará e Goiás.

Estrutura do curso

O curso está organizado em três mil horas, divididas em três anos, com mil horas anuais:

A integração será garantida pela organização curricular e pelas estratégias de gestão compartilhada e de planejamento das atividades docentes, realizada de forma cooperativa entre os profissionais do Sesi e do Senai.

O currículo do curso busca a centralidade em competências e habilidades contextualizadas na realidade do mundo atual e se propõe a superar a tradição pautada em uma grade de conteúdos enciclopédicos descontextualizados. A integração curricular orienta a formação geral para o desenvolvimento das competências e habilidades requeridas pelo mundo do trabalho, ao mesmo tempo em que a formação profissional favorece o fortalecimento daquelas que são indispensáveis ao aprimoramento do estudante como pessoa humana e à sua inserção no mundo do século XXI.

Certificação

O curso prevê as seguintes certificações:

Certificação Intermediária de Eletricista Instalador Industrial – emitida pelo Senai ao final do primeiro semestre do 3º ano.

Certificação Final emitida pelo Sesi e Senai – Ao final do curso, o estudante receberá certificação do Ensino Médio com Itinerário de Formação Técnica e Profissional – Habilitação em Eletrotécnica.

Certificações complementares – O Plano Pessoal de Estudos elaborado pelo estudante em conjunto com os profissionais designados pela escola resultará em um portfólio e relatório em que constem as atividades complementares que serão objeto de certificação.

 

Fonte: Informações do projeto piloto “Ensino Médio com itinerário de formação técnica e profissional, área industrial de Energia – habilitação profissional de Técnico em Eletrotécnica, produzido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Por Natalia Magalhães

Imprimir

Notícias Relacionadas