A Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e o Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo (Ideies) apresentaram, nesta quarta-feira (07), a publicação Indústria Capixaba em Números, que traz uma análise trimestral dos principais resultados da economia capixaba com base nos dados da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF) feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado mais positivo da pesquisa foram os 18 mil postos de emprego criados no primeiro semestre do ano.

Com a maior queda entre os estados pesquisados, a produção industrial capixaba reduz 12% entre janeiro e junho deste ano. A maior perda entre os setores foi registrada nas atividades de celulose e papel, que acumularam queda de 28,5% no ano. Vale dizer que, no primeiro semestre do ano, apenas os setores de alimentos e de minerais não-metálicos apresentaram crescimento.

Apesar desse panorama, o Espírito Santo registra a criação de 18.458 postos de carteira assinada no primeiro semestre. Juntos, setores de serviços, agropecuária e indústria de transformação criaram 17,9 mil postos formais no Espírito Santo, nesse mesmo período. O setor industrial sozinho criou 5.619. “Tivemos o melhor semestre em geração de empregos em sete anos. Apesar de parecer contraditório devido ao mau desempenho da indústria, o número mostra que a capacidade ociosa foi ocupada. Com o momento econômico melhorando, essas vagas estão sendo ocupadas”, detalha o presidente da Findes, Léo de Castro. Foram 81,9% de utilização da capacidade instalada em junho, uma média histórica do mês.

A publicação Indústria Capixaba em Números faz uma análise completa sobre as atividades econômicas; a produção industrial; preços, juros e crédito; mercados de trabalho; finanças públicas; setor externo; e mercado. Confira o material na íntegra!

 

Por Marcella Andrade

Imprimir