A Mobilização Capixaba pela Inovação (MCI) é uma ação suprainstitucional que visa a organização do ecossistema de inovação do Espírito Santo e tem como objetivo, criar a necessária ambiência que estimule a inovação de forma ampla pelas organizações capixabas, públicas e privadas, sendo meio para a indução de um novo ciclo econômico para o Estado.

Para o superintendente do Sesi-ES e diretor Regional do Senai-ES, Mateus de Freitas, intenção é reunir, dialogar e obter convergência na atuação das instituições capixabas que tratam do tema inovação. “A MCI foi organizada de forma simples, pois pretende-se que as ações sejam executadas pelas instituições participantes, sendo o Fórum a instância de alinhamento”, ressaltou.

Segundo ele, a Mobilização nasceu diante de um olhar para as questões de inovação do Espírito Santo, a partir de um ranking em que coloca o Estado em 14º lugar no quesito inovação. “É uma colocação mediana e com uma certa inquietude passamos a nos reunir com diferentes atores do ecossistema de inovação para desenvolvermos a competitividade capixaba”, ressaltou.

Reunião de Trabalho

Nesta semana, o auditório da Findes recebeu representantes do Governo do Estado, das instituições de ensino médio e superior, entidades do movimento empresarial, pesquisadores e empreendedores, para a primeira reunião de trabalho da Mobilização Capixaba pela Inovação (MCI), em que foi anunciado o primeiro edital, previsto para ser lançado em setembro.

Coordenada pela Findes, a mobilização reúne instituições públicas e privadas para discutir, desenvolver e coordenar ações do setor produtivo que estimulem a inovação no Estado, de forma a atrair negócios, gerar emprego e renda. A MCI envolve Governo do Estado, Findes, UFES, UVV, IFES, Vale, ArcelorMittal, Fibria, ES Em Ação e Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidor do Espírito Santo (Sincades). Sua estrutura está organizada em: Comitê Estratégico, Plenária, Coordenação Executiva,  Assessoria Técnica e Secretaria de apoio.

Presente na reunião, o governador Paulo Hartung ressaltou a importância dessa iniciativa conjunta entre o Governo, a academia e o empresariado: “O papel de líder é motivar, convencer e mobilizar. É importante fazermos isso aqui na Findes, uma instituição do nosso Estado, que já ajudou os capixabas a reinventar nossa economia. Temos que dar espaço para essa inovação chegar no dia a dia da produção. Não temos que ter preconceito. Há espaço para todo mundo. Temos que transformar esse evento no futuro econômico do Estado”, disse.

Para o presidente da Findes, Léo de Castro, a Mobilização busca atender as reais necessidades do mercado. “A inovação precisa gerar produtividade e ampliar a competitividade das empresas. O mundo globalizado exige a melhoria dos processos, fazendo mais com menos, quer seja no transporte, na agricultura, na indústria, no comércio, nos serviços ou no setor público. O Espírito Santo inicia um ciclo que vai contribuir para a transformação socioeconômica do Estado”, argumentou Castro.

Fundo de R$ 80 milhões para inovação

Como parte das iniciativas da mobilização, os empreendedores do Espírito Santo ganharam um fundo de inovação que vai disponibilizar, nos próximos dois anos, R$ 80 milhões para financiamento de projetos.

Confira o depoimento dos parceiros

Essa mobilização acaba sendo um reflexo de tudo que está acontecendo de bom no Espírito Santo, que hoje, é um exemplo para o Brasil de boa gestão. A Mobilização Capixaba pela Inovação visa preparar o Espírito Santo para um novo momento, de uma sociedade altamente conectada, que nos trouxe até aqui em termos de sucesso, porém, não garante o sucesso de amanhã. A MCI congrega academia, governo e empresas, com o objetivo de pensar o novo, inclusive, assumindo riscos.Fernando Bertolucci – Diretor de Tecnologia e Inovação da Fibria

Estou a 40 anos na Ufes e estamos presenciando um cenário inédito. Pela primeira vez nós estamos vendo efetivamente os atores que são tradicionais desse processo não trabalharem de forma isolada, mas atuando de forma coletiva, em busca de um processo sustentável de inovação tecnológica. Então, essa é a razão pela qual eu acredito de que finalmente o Espírito santo entrou na rota.Anilton Salles Garcia - Pró-reitor da Ufes e professor

O nosso Estado é muito pequeno, por isso, precisamos nos organizar rumo ao mesmo norte. A ideia é juntar o Governo, a academia e o setor produtivo para entendermos quais são as demandas da inovação e quais são as soluções que traremos.Camila Dalla Brandão - Secretária de Estado de Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Trabalho

Saiba mais!

Por Cinthia Pimentel

Imprimir