O Fórum de Entidades e Federações (FEF) vê com preocupação as medidas apresentadas pelo Governo Federal para negociar o fim da paralisação dos caminhoneiros. O setor produtivo acredita que problemas complexos não podem ser solucionados com ações simplórias e equivocadas.

A fixação de um preço mínimo para o frete por meio de medida provisória não resolve o desajuste no setor de transportes e vai contra o livre mercado, remetendo às piores práticas de nossa economia, como o ineficaz tabelamento proposto pelo Governo Federal nos anos 80.

Acreditamos que a suspensão de PIS/Cofins e Cide para redução do combustível não pode ser compensada com a reoneração da folha de pagamento. Não há justificativa para a criação de barreiras para a geração de empregos em um país com mais de 13 milhões de desempregados.

O FEF defende um ajuste pautado pela redução das despesas do Governo Federal, cortando gastos ao invés de ampliar a carga tributária. É preciso repensar o papel do Estado e dar fim ao monopólio do refino da Petrobras, a exemplo da exploração do pré-sal.

O Fórum seguirá defendendo o diálogo como melhor caminho e repudia qualquer manifestação que fira o direito de ir e vir da população capixaba.

 

Fórum de Entidades e Federações do Espírito Santo

Fetransportes, Fecomércio, Faes, Findes e Espírito Santo em Ação

Imprimir