Cuidados com meio ambiente e a inclusão social foram os nortes dos trabalhos inovadores que venceram a “10ª Mostra Tecnológica Inova Senai”. A premiação aconteceu nesta quinta-feira (29) na unidade de Civit, na Serra. Todos os trabalhos apresentados foram desenvolvidos aplicando as tecnologias bases da 4ª Revolução Industrial, como inteligência artificial, internet das coisas, automatização, robótica, realidade aumentada; e chamaram a atenção dos avaliadores pelos protótipos avançados que foram apresentados nos pitchs nestes dois dias de exposição.

A dinâmica envolvia as seguintes fases: aos alunos foram apresentados à problemas reais da indústrias e também do dia a dia do cidadão; eles analisaram essas situações e propuseram soluções, tanto para a melhoria de processos ou da vivência em indústrias quanto na sociedade, e para esse último caso foram desenvolvidos produtos.

A Mostra Tecnológica Inova Senai é o resultado de meses de pesquisa e desenvolvimento dos trabalhos, onde os protótipos são expostos e avaliados em pitchs. Nesta fase, os processos ou produtos propostos já estão prontos para receberem investimentos financeiros e serem comercializados. Justamente por isso, neste ano, a banca de avaliadores foi formada por pessoas ligadas ao ecossistema capixaba de inovação, tecnologia e criatividade.

Fábio Campos, coordenador da Inova Senai 2018, avaliou a Mostra como altamente produtiva e destacou o empenho dos estudantes e instrutores em desenvolver projetos muito bem elaborados.

“Diferente de outras mostras de tecnologia de outras instituições, onde os protótipos costumam ser apenas alusivos às ideias propostas, aqui eles funcionavam. E esse processo de construção de um protótipo é muito importante porque é o momento que o aluno coloca em prática todo o conhecimento teórico adquirido. Para esses projetos se transformarem em produtos (mercadológicos) é só uma questão de estrutura, alguns pequenos ajustes, que fazem parte do processo de criação de qualquer solução dentro do contexto de Indústria 4.0”, apontou.

Além da complexidade e o bom acabamento dos protótipos, chamou a atenção dos avaliadores a motivação dos alunos e também a forma como dominavam conceitos e tecnologias da Indústria 4.0, como aponta a avaliadora Susilea Abreu, que é professora e coordenadora dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação da Universidade Vila Velha (UVV).

“Eu fiquei realmente encantada com tudo que vi aqui. Nós, avaliadores, conseguimos perceber o potencial que esses alunos têm para desenvolver os projetos. Protótipos aprofundados, canvas prontos, alunos felizes, envolvidos e motivados. O Senai e os alunos estão de parabéns e torcemos para vir muitos outras Mostras por aí para vermos de perto o que esse pessoal está produzindo de bom”, frisou.

O avaliador Renato Cabelino, que é professor do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), enxergou nos projetos expostos potencial para serem comercializados e implementados em empresas ou setores da sociedade.

“Por tudo que vi aqui hoje, acredito que os alunos desenvolveram trabalhos de excelência, se dedicaram aos propósitos, aos projetos. Pelo que experimentamos aqui, existe plena condição para esses projetos continuarem e se tornarem produtos (mercadológicos)”, apontou.

Vencedores

Para chegar até a Mostra Tecnológica Inova Senai, os alunos enfrentaram meses de análises, pesquisas, desenvolvimento e testes, até chegarem ao processo ou produto, que foram finalizados nos protótipos expostos.

Luana Engelhardt Luz, 19 anos, e André Ferrari, 20 anos, do Senai Colatina, levaram quase um ano para desenvolver o TechFluid, um sistema de tratamento de fluídos industriais, que conquistou o primeiro lugar na categoria Processos desenvolvidos por Alunos.

André explica que o projeto foi desenvolvido pensando em melhorar processos da própria unidade onde estuda e que o desejo da equipe é conseguir expandir a ideia para outras unidades do Senai no Estado.

“O TechFluid separa o fluído de corte, o óleo mineral da água, usado nos tornos mecânicos do Senai Colatina. O objetivo do projeto é potencializar a reutilização da água, separando ela do óleo. Em contrapartida, conseguimos reduzir o valor da conta de água e ainda injetar dinheiro no próprio Senai, pois podemos vender a borra que é formada, o óleo proveniente desse processo. Além disso, a unidade estará fazendo o descarte correto dos resíduos de corte e, portanto, não correrá riscos de pagar multas e indenizações”, explicou.

Esse é o terceiro ano que ele participa do Inova Senai e, para ele, essa é uma experiência enriquecedora. “É uma experiência incrível se esforçar o ano inteiro, e ser premiado, reconhecido no final do ano. Deu muito trabalho para fazer esse trabalho, escrever o projeto e desenvolver nosso protótipo. O Inova é uma feira que o aluno a sair do projeto de classe e estender para a pesquisa. E quando uma equipe volta com um resultado positivo como o nosso, isso se torna um incentivo para os outros alunos da unidade”, afirmou.

Quando recebeu a notícia de que era primeira colocada, Luana se emocionou. E não foi para menos.

“Sempre demandou muito esforço nosso pensar e produzir uma ideia inovadora, que otimizasse o processo de tratamento do corte de fluídos industriais, porque hoje isso não existe. É algo necessário que demandou muito estudo, muita dedicação e chegar até aqui é ver o resultado da nossa dedicação. Ser premiado é ainda melhor”, contou. “Para o ano que vem, o nosso objetivo é aprimorar cada vez mais os projetos e buscar implementar em outras unidades”, destacou. 

A inclusão social foi o norte de desenvolvimento do projeto dos alunos egressos Breno Nunes Matheus, 19, Marcelo Antônio Gonçalves, 18 anos, do Senai Aracruz. O Tablet Braile produzidos por eles conquistou o primeiro lugar da categoria Produto desenvolvido por alunos.

“O nosso trabalho se resume a uma palavra: Equidade. A sociologia explica que a equidade e igualdade são coisas diferentes. Um exemplo de igualdade é você dar um livro para uma pessoa que tem uma visão e o mesmo livro para uma pessoa que não tem visão. A equidade é você dar um livro escrito para a pessoa que tem visão e um livro em braile para uma pessoa que não tem visão. Então, você das os meios, os suportes necessários para a pessoa chegar a um determinado ponto. Assim, da mesma que forma que uma pessoa que tem visão pode adquirir um conhecimento, a pessoa que não tem também pode adquirir esse conhecimento. Então, é gratificante para nós ter conquistado a primeira colocação com um projeto que tem esse objetivo e que demandou tanto trabalho e conhecimento de nossa parte”, explica Breno.

No Brasil, frisa os alunos, há aproximadamente, 6,5 milhões de brasileiros que são deficientes visuais, de acordo com o IBGE de 2010. Há problemática identificada por eles é que, essas parcela de cidadãos, não possuem investimentos adequados em sua educação. Como exemplo, eles citam o fato de, nas bibliotecas brasileiras, ser raro encontrar um livro em braile, sistema de escrita tátil utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão e que tradicionalmente é escrito em papel em relevo.

“Isso prejudica muito o crescimento profissional dessas pessoas, até mesmo o ético, moral e cultural, por falta de material para elas estudarem. A solução que pensamos, então, foi o Tablet Braile. Ele funciona, mais ou menos, da seguinte forma: ele entende a mensagem de texto que está sendo emitido para ele – seja por pen drive, cartão SD, Wi-Fi ou Bluetooth – , decodificar o alfabeto de A a Z do que está sendo escrito e transforma para uma leitura em braile para o melhor entendimento de quem está fazendo o uso do aparelho. No Tablet Braile, os pontinhos são representados por pinos. Ele também permite que o usuário navegue entre as páginas do livro ou do texto que será lido”, explicou Breno.

Responsável pela parte de programação, Marcelo conta que o projeto demandou, pelo menos, três meses de pesquisas e testes. Já a parte de prototipagem levou até três semanas. A tecnologia utilizada por eles foi o Arduíno.

“Nós descobrimos que é possível fazer o Tablet Braile por meio do Arduíno, porque ele possui uma linguagem em C++ e, por meio dela, é possível fazer a conversão do alfabeto latino para o Braile, que é o comando de pinos para a linguagem braile. Com as pesquisas, descobrimos que bobina seria mais fácil e viável para fazer o levantamento ou o abaixamento do pino”, revolou.

Instrutores

Os instrutores também participam da Mostra Tecnológica Inova Senai com projetos desenvolvidos por eles. Na categoria Processos, levou o primeiro lugar o Senai São Mateus, com o Sistema Didático de Colheita Florestal, desenvolvido por Marcelo Vinicius Barcelos. É um projeto que une a dinâmica dos games e a realidade virtual para melhorar o aprendizado dos alunos e que também pode ser utilizado para o treinamento de colaboradores de empresas. É um simulador similar ao que é utilizado nas aulas para adquirir a carteira de motoristas ou no processo de aprendizado dos pilotos de avião.

Já na categoria Produto, o primeiro lugar foi do Flex Construction 4.0, da instrutora Janine Gomes do Senai Vila Velha. Trata-se de uma madeira plástica que tem entre seus compostos fibras vegetais e produtos recicláveis. Um material mais leve e resistente que a madeira natural, com o objetivo de melhorar a vedação dos canteiros de obras. É a Construção Civil 4.0.

Janine e suas alunas, Estefânia Aparecida Silva, 28 anos, e Karina Correa dos Santos, 19 anos, conquistaram o segundo lugar da Mostra Inova Senai, na etapa nacional, que aconteceu em Brasília, em julho deste ano, com a Ilha Ambiental, uma ilha flutuante composta por plantas aquáticas capaz de filtrar a poluição hídrica atuando na recuperação de cursos d’água.

A 10ª Mostra Tecnológica Inova Senai foi a etapa estadual da Mostra Inova Senai e, agora, os vencedores estão com o passaporte carimbado para a etapa nacional que acontece no próximo ano em Brasília. O evento ainda contou com palestras sobre inovação, criatividade, tecnologia e mercado de trabalho com o especialista em tecnologia Gilberto Sudré; o professor e  fundador da Startyfi, Marcelo Lage; o especialista em marketing, inovação e educação, Leonardo Carrareto; a ex-aluna do Sesi e Senai e idealizadora do Projeto Solares, Bruna Shuz;  o CEO da “Mundo em Cores”, Rodrigo Quintão, e a Diretora de Inovação do Senai, Juliana Gavini.

– Confira como foi a Mostra em fotos


Conheça os vencedores de cada colocação

– Categoria Processos desenvolvidos por Instrutor

1º Lugar – Senai São Mateus
Processo: Simulador Didático de Colheita Florestal

2º Lugar – Senai Vitória
Processo: FITOTEC – Descontaminação de Áreas

3º Lugar – Senai Vila Velha
Processo: Ecobarreiras

– Categoria Produtos desenvolvidos por Instrutor

1º Lugar – Senai Vila Velha
Produto: Flex Construction 4.0

2º Lugar – Senai Cachoeiro
Produto: Planta de Aprendizagem 4.0 para Rede de Computadores

– Categoria Processos desenvolvidos por Aluno

1º Lugar – Senai Colatina
Processo: TechFluid

2º Lugar – Senai Cachoeiro
Processo: Viewer Stone

3º Lugar – Senai Anchieta
Processo: Sarli – Sistema Alternativo de Refrigeração para Lubrificantes Industriais

– Categoria Produtos desenvolvidos por Aluno

1º Lugar – Senai Aracruz
Produto: Tablet Braile

2º Lugar – Senai Serra
Produto: Plastic Coffee Ground

3º Lugar – Senai Aracruz
Produto: Sensorial Device

Por Fiorella Gomes

 

Imprimir

Notícias Relacionadas